O toque

Boas!

Para quem não sabe, vim para Dallas, Texas fazer o meu Ph.D e já cá estou à um mês (+ coisa – coisa).

Eu não sabia o que esperar deste país e ainda mais peculiar, deste estado.

Cheguei no dia 4 de julho, portanto fui recebido logo com festa e foguetes a torto e a direito por todo o lado. Logo no meu primeiro dia tive o meu primeiro “incidente social”. Esqueci-me que, aqui, ao contrário de em Portugal, ninguém dá os tão nossos conhecidos “2 beijinhos” então conheci uma senhora indiana, amiga dos senhores em cuja casa estou a habitar e, como bom português aproximei-me para efectuar  o Cumprimento. Só quando ia a caminho do segundo beijinho é que me apercebi da cara de pânico da mulher, e percebi que tinha feito asneira! Mas como um TGV, já tinha ganho balanço e mais valia acabar o que estava a fazer. Depois de terminado o serviço reparei que a mulher estava meio encolhida, como se tivesse medo que a fosse atacar. Ela era para vir connosco ver o fogo de artifício mas depois do meu “ataque” resolveu ficar por casa!

Isto deixou-me a pensar.

Eu sou uma pessoa habituada ao contacto humano. O teixeira sabe que volta e meia me costumava agarrar a ele (de uma forma completamente máscula e ABSOLUTAMENTE NADA GAY) mas aqui não há nada disso… aqui o máximo que se toca numa pessoa é quando nos apresentamos (e apenas na primeira vez!!!) que se estende a mão para o fabuloso (e extremamente rápido) “passôbem”.

Este foi um problema que nunca pensei vir a ter por aqui, já sabia que ia sentir saudades da namorada, dos pais, dos amigos, do pais e do tempo mas nunca pensei sentir tantas saudades de levar a bela da palmada no ombro ou de irritar o teixeira com um abraço másculo ou de cumprimentar toda a gente com um aperto de mão ou dois beijinhos todos os dias que nos vemos.

A cultura aqui não permite isso,  é um bocado tabú tocar nas outras pessoas.

Acho que me vou vingar quando voltar a Portugal no Natal.

Mais alguém padece deste grave mal?

3 thoughts on “O toque

  1. Deixa lá…ao menos não te empurraram como a mim! Eu no primeiro dia também me cheguei com 2 beijinhos a uma holandesa e levei logo uma palmada no peito e um tom de aviso “Here we don’t kiss strangers..”.

    Mas depois descobri que as gajas têm é um código social tramado. Não te conhecem, aperto de mão, conhecem-te mais ou menos, 3 beijinhos, a começar no lado direito, conhecem-te bem, 1 beijinho.

    Bom post puto! :D

  2. Epa que cena marada!!!

    O JA postou finalmente CRL!!!

    Quanto ao contacto eu diria que é mais do pessoal asiático do que por estares no Texas…
    Mas anyway o Texas parece estar cheio deles!

    Ganda Abraço e continua a mandar umas postas de vez em quando man.

  3. És mesmo burro! Porque é que achas que a Indiana ficou em casa e já nem foi à festa? Dah, queria que lhe desses a festa privada… Aqueles dois beijos foram espectaculares!
    Mas olha JA, não sei se todos os Americanos são assim, mas uma coisa sei, se ela era Indiana podias ter-te metido numa alhada só pelo primeiro beijo! Pois é menino… muito cuidado. Se desonras a rapariga casas-te com ela… ou és castrado! como gostas muito de te abraçar só ao teixeira e mais ninguém a segunda hipótese não era de deitar fora. ;)

    Parabéns pelo primeiro post!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s